terça-feira, 4 de julho de 2017

O Retorno de Clint, O Estranho

Título no Brasil: O Retorno de Clint, O Estranho
Título Original: Il Ritorno di Clint il Solitario
Ano de Produção: 1972
País: Itália, Espanha
Estúdio: Doria G. Film
Direção: Alfonso Balcázar (George Martin)
Roteiro: Alfonso Balcázar, Giovanni Simonelli
Elenco: George Martin, Marina Malfatti, Klaus Kinski, Daniel Martín, Augusto Pescarini, Francisco José Huetos
                   
Sinopse:
Após vingar a morte de seu irmão, o pistoleiro conhecido como "Clint, O Solitário" resolve retornar para sua cidade natal. Ele reencontra sua esposa e seus dois filhos menores vivendo em um rancho. Há muito o que superar pois ele os abandonou seis anos atrás. Enquanto tenta convencer sua esposa a voltar, Clint precisa lidar com outra situação perigosa: um caçador de recompensas chamado Scott (Klaus Kinski) está decidido a capturá-lo vivo ou morto!

Comentários:

Esse western spaghetti também é conhecido como "Trinity... Alguém Te Espera!", pois foi com esse título que ele foi lançado em alguns cinemas brasileiros nos anos 70. Claro que é um título oportunista pois não traz o personagem Trinity, mas sim Clint, o pistoleiro criado pelo ator e diretor George Martin (cujo nome real era Alfonso Balcázar). Essa produção é obviamente a sequência de "Clint, O Solitário" e segue os mesmos passos do filme anterior. Martin tem a mesma linha de Django, ou seja, um personagem de poucas palavras e bom de mira! Ele também abusa dos closes, principalmente nos segundos que antecedem um duelo ou um tiroteio. Outro ponto a se destacar é a trilha sonora, assinada por Ennio Morricone, o maestro e mestre dos filmes italianos de faroeste. No elenco além de Martin se destaca a presença de Klaus Kinski como o caçador de recompensas. Com cabelos longos, um eterno charuto na boca e cara de maluco, ele rouba as cenas diversas vezes. Poucos cinéfilos se lembram disso, mas Klaus Kinski fez muitos filmes de bang bang spaghetti, geralmente interpretando vilões e assassinos psicóticos, um tipo de papel que, diga-se de passagem, lhe caía muito bem.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

4 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.0

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir



  3. Serge Renine4 de julho de 2017 15:14

    Parafraseando o que alguém disse: "se quer se tornar perene, cante a sua aldeia", ou algo assim. O Ennio Morricone entendeu e sentiu o western dos diretores italianos com o sentimentalismo passional italiano e isso se tornou a alma desta forma de fazer filmes de bang bang; o western spaghetti jamais seria tão penetrante sem a personalidade deste músico excepcional.

    ResponderExcluir
  4. Era um mestre.
    Não raro a única coisa que realmente era de extrema qualidade em algumas dessas produções era mesmo a trilha sonora do Morricone.
    Criou um estilo que marcou época.

    ResponderExcluir