segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Cine Western - A Qualquer Custo

Título no Brasil: A Qualquer Custo
Título Original: Hell or High Water
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: David Mackenzie
Roteiro: Taylor Sheridan
Elenco: Jeff Bridges, Ben Foster, Chris Pine, Gil Birmingham, William Sterchi, Buck Taylor
  
Sinopse:
Uma dupla de policiais veteranos caça dois irmãos, assaltantes de bancos, no oeste texano. Tentando antecipar onde os próximos crimes serão cometidos, eles montam uma tocaia para aprisionar os criminosos. Filme indicado ao Cannes Film Festival. Filme indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Drama, Melhor Ator - Drama (Jeff Bridges) e Melhor Roteiro - Drama (Taylor Sheridan). Também indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Filme,  Melhor Ator (Jeff Bridges), Melhor Roteiro (Taylor Sheridan) e Melhor Edição (Jake Roberts).

Comentários:
Ótimo filme! No enredo temos dois irmãos que se encontram após muitos anos por causa do falecimento de sua mãe. Ela morreu pobre e endividada, por causa de uma hipoteca feita para salvar seu rancho. O irmão mais velho Tanner (Ben Foster) passou muitos anos preso. De volta à liberdade acaba convencendo seu irmão mais jovem, Toby (Chris Pine), a realizar uma série de assaltos em pequenas agências bancárias de cidadezinhas perdidas no oeste do Texas. A ideia é roubar o dinheiro necessário para pagar a hipoteca do rancho da mãe, evitando assim que o banco fique com a propriedade. Após os primeiros assaltos entram em cena dois policiais veteranos. O xerife Marcus (Jeff Bridges) é um velho homem da lei, prestes a se aposentar. Seu parceiro, o mestiço Alberto (Gil Birmingham), é um excelente policial, com muita experiência em campo. O segredo para prender os dois ladrões de bancos é antecipar seus próximos crimes. Descobrir onde eles atacarão em seguida. Para isso os tiras procuram descobrir qual será a próxima agência a ser roubada. Inicia-se assim uma verdadeira caçada humana no meio da imensidão do Texas.

De certa forma esse novo filme estrelado pelo sempre ótimo Jeff Bridges é uma espécie de faroeste moderno, passado no oeste americano da atualidade. Todos os personagens são bem desenvolvidos e o filme conta com um excelente roteiro. Os dois irmãos criminosos são apresentados como pessoas comuns, que tentam sobreviver de alguma forma. O excelente ator Ben Foster interpreta o irmão mais velho, ex-presidiário, que gosta do que faz, dos crimes que comete. Ele parece adorar a adrenalina da perseguição policial, do perigo em se entrar em um banco com armas na mão anunciando um assalto. Seu irmão mais jovem, interpretado pelo ator Chris Pine (sim, o Capitão Kirk da nova franquia "Star Trek") faz o sujeito com ficha limpa que embarca nos planos alucinados de seu mano. O destaque porém vai para a ótima atuação de Bridges como o velho xerife. Experiente, com um sotaque todo característico da região, onde palavras são confundidas com resmungos ranzinzas, ele passa o filme inteiro trocando farpas com seu parceiro. Sendo ele um policial com origem mexicana, isso acaba rendendo ótimos momentos de humor, sem qualquer intenção de ser ofensivo, sendo apenas divertido. O filme tem um clímax muito bom, que me lembrou inclusive de velhos filmes de western, onde bandidos e mocinhos se enfrentam nas ingremes montanhas texanas. Um filme realmente muito bom, valorizado sobretudo por causa desse teor nostálgico de seu roteiro. Mais do que recomendado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Cine Western - James Dean - Giant


James Dean - Giant
Três fotos com James Dean tiradas durante as filmagens de "Assim Caminha a Humanidade". O filme acabou se tornando o último do jovem rebelde ator, que morreria poucas semanas após o fim das filmagens ao sofrer um acidente de carro com seu Porsche Spyder. Em cena Dean interpretava o capataz de uma grande fazenda chamado Jett Rink, que acabava encontrando petróleo em seu pequeno pedaço de terra, o tornando um homem milionário. O filme, sob direção do excelente George Stevens, foi rodado no interior do grande estado americano do Texas e Dean procurou absorver a cultura local, se vestindo de cowboy, interagindo com os moradores da região.


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Cine Western - A Fronteira

Título no Brasil: A Fronteira
Título Original: Borderline
Ano de Produção: 1980
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Jerrold Freedman
Roteiro: Jerrold Freedman, Steve Kline
Elenco: Charles Bronson, Ed Harris, Bruno Kirby, Bert Remsen, Karmin Murcelo
  
Sinopse:
Na fronteira entre México e Estados Unidos, um grupo de policiais americanos tenta evitar a entrada de imigrantes ilegais em seu país. Eles são liderados pelo xerife Jeb Maynard (Charles Bronson) que resolve apertar o cerco após a morte de um veterano patrulheiro da fronteira que era seu amigo pessoal. A partir daí ele começa a investigar o assassinato e descobre que por trás de tudo pode estar um homem especializado em atravessar imigrantes mexicanos pela fronteira. Caberá a Jeb descobrir sua identidade e das pessoas poderosas que estariam financiando suas atividades criminosas.

Comentários:
Em tempos de Donald Trump e sua política de imigração nada mais interessante do que assistir a esse filme estrelado por Charles Bronson. É a tal coisa, a imigração ilegal é um problema bem velho para os americanos pois há mais de 30 anos atrás a situação já era considerada fora de controle. Em determinado momento do filme o xerife de Bronson dá uma ideia do caos que impera naquela região. Ele explica aos seus subordinados que quando começou a trabalhar na fronteira eles prendiam no máximo 10 mexicanos por mês tentando entrar ilegalmente nos Estados Unidos, mas que agora eram mais de três mil por semana! E isso em 1980, quando o filme foi produzido! Imagine a situação nos dias atuais... Além do roteiro esclarecedor que mostra como a imigração ilegal é mesmo um grande negócio para policiais mexicanos corruptos e empresas de fachada do lado americano, o filme também explora as mortes e a profunda exploração dos coiotes em relação aos imigrantes. Um desses coiotes é o grande vilão do filme, um veterano da guerra do Vietnã interpretado por Ed Harris. Usando o que aprendeu no exército ele passa a trabalhar no transporte de imigrantes ilegais, muitas vezes cometendo crimes para isso. Um desses crimes é justamente o assassinato que Bronson passa a investigar. Ele mata um velho patrulheiro da fronteira e quando a bala que o matou ricocheteia em um jovem mexicano ele não pensa duas vezes e mata o rapaz também, tudo a sangue frio. Totalmente rodado na fronteira desértica entre os dois países esse é sem dúvida um dos melhores filmes sobre o tema. Tem cenas excelentes de ação e também um roteiro que é ao mesmo tempo esclarecedor e conscientizador. Um filme muito bom, hoje pouco lembrado. Assista para entender melhor a política do atual presidente americano sobre a imigração ilegal que assola aquela nação.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Cine Western - A Sombra de Chikara

Título no Brasil: A Sombra de Chikara
Título Original: The Shadow of Chikara
Ano de Produção: 1977
País: Estados Unidos
Estúdio: Embassy Pictures
Direção: Earl E. Smith
Roteiro: Earl E. Smith
Elenco: Joe Don Baker, Sondra Locke, Ted Neeley, Dennis Fimple
  
Sinopse:
Com o fim da Guerra Civil Americana, ex-soldados confederados passam a vagar pela imensidão do deserto do oeste americano. Nessas terras isoladas e hostis eles acabam conhecendo uma velha lenda nativa que afirma que há tesouros escondidos nas montanhas do Arkansas. Eles decidem então ir em busca da fortuna, mas acabam descobrindo que forças desconhecidas e sobrenaturais protegem aquele santuário perdido.

Comentários:
Filme de faroeste dos anos 1970 que não deixa de ser muito curioso e interessante, principalmente pela exploração por parte do roteiro de aspectos referentes ao sobrenatural e ao misticismo. Pegando carona no sucesso da época de filmes de terror, o diretor e roteirista Earl E. Smith tentou criar um filme que fosse ao mesmo de western e terror, tentando unir os dogmas de ambos os gêneros cinematográficos. Não ficou uma obra prima, longe disso, mas também passa longe de ser uma bomba ou uma decepção. Há elementos que realmente fazem com que o espectador fique atenta aos acontecimentos até o fim do filme. Smith conseguiu realmente, de fato, explorar bem o suspense, o inexplicável e o mistério. No elenco não há grandes astros e estrelas, apenas a atriz Sondra Locke é mais conhecida dos fãs de filmes de western, principalmente por ela ser casada na época com Clint Eastwood, que dizem alguns boatos, também ajudou na realização desse filme de western e magia! Enfim, uma obra bem interessante, curiosa e bem fotografada, toda filmada nas terras onde nasceu o ex-presidente americano Bill Clinton. Coloque em sua lista, a conferir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Cine Western - A Caminho do Oeste / Oeste Sem Lei

Título no Brasil: A Caminho do Oeste / Oeste Sem Lei
Título Original: Slow West
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Nova Zelândia
Estúdio: DMC Film, Film4 Pictures
Direção: John Maclean
Roteiro: John Maclean
Elenco: Michael Fassbender, Kodi Smit-McPhee, Caren Pistorius, Ben Mendelsohn
  
Sinopse:
O jovem escocês Jay Cavendish (Kodi Smit-McPhee) parte rumo ao oeste americano em busca de sua amada, Rose Ross (Caren Pistorius). Ela fugiu para os Estados Unidos após seu pai ter matado um homem na Escócia. No caminho Jay acaba encontrando o pistoleiro Silas Selleck (Michael Fassbender) e o contrata, para servir de guia até o destino final de sua viagem. O que Jay não sabe é que Rose e seu pai estão com a cabeça à prêmio, o que atrai uma horda de caçadores de recompensas para capturá-la. Filme indicado ao British Independent Film Awards e ao European Film Awards. 

Comentários:
O que temos aqui é um western rápido e ágil que foi produzido pelo próprio ator Michael Fassbender. Com belas locações na distante (e bonita) ilha da Nova Zelândia, o filme conta uma história simples até demais. Dois viajantes seguem rumo aos confins do oeste para encontrar a paixão de um deles. Até aí nada demais. O problema é que há uma recompensa de dois mil dólares pela captura da garota, o que abre uma verdadeira caçada em sua captura. O jovem escocês que deseja encontrá-la nem desconfia que está na verdade levando um grupo de caçadores de recompensa diretamente a ela, pois eles seguem à distância seus passos. Aliás o próprio guia que ele contrata, o pistoleiro Silas, também está de olho na generosa recompensa, então cria-se mesmo uma armadilha mortal. Na longa viagem eles encontram golpistas, enganadores e índios. Há uma passagem por uma floresta fantasma, mas infelizmente isso não é muito bem aproveitado pelo roteiro. O filme tem menos de uma hora e meia de duração, o que considerei pouco em termos de filmes mais recentes. Além disso há muita violência pelo caminho, a ponto do diretor colocar uma curiosa montagem na cena final mostrando todos os que foram mortos nessa jornada, rápidos takes dos corpos crivados de balas pelo chão. O clímax inclusive é bem inesperado, sem direito a final feliz. Com um elenco praticamente todo desconhecido, com exceção do ator Michael Fassbender (de "X-Men: Dias de um Futuro Esquecido", "Assassin's Creed", "Shame", "Prometheus" e "12 Anos de Escravidão", entre outros), o filme só peca mesmo pelo roteiro que é um tanto vazio, sem nunca desenvolver melhor todos os personagens. Basicamente a situação não é melhor trabalhada, embora para os que estejam em busca de apenas boas cenas de ação não haverá o que reclamar. O jovem Jay é um tipo frágil demais, nada adequado para enfrentar o lado mais selvagem do oeste americano. Seu romantismo desproporcional e sua inocência o tornam um alvo perfeito para os foras-da-lei que infestavam o oeste naqueles tempos duros. Então é isso, "Slow West" pode ser uma boa pedida de fim de noite se você estiver em busca de um passatempo razoável, sem pretensões de se assistir a uma obra prima do western. Como diversão ligeira até que funciona bem.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Cine Western - A Lei dos Brutos

Título no Brasil: A Lei dos Brutos
Título Original: Gunslinger
Ano de Produção: 1956
País: Estados Unidos
Estúdio: Roger Corman Productions
Direção: Roger Corman
Roteiro: Charles B. Griffith, Mark Hanna
Elenco: Beverly Garland, John Ireland, Allison Hayes, Martin Kingsley
  
Sinopse:
O sonho de Rose Hood (Beverly Garland) sempre foi ser uma boa esposa e mãe. Ao se casar ela pensou estar finalmente realizando seu sonho de vida, mas seu marido acaba sendo morto covardemente na rua principal da cidade. Revoltada, tomada por ira e em busca de vingança contra todos os bandidos do velho oeste, Rose resolve tomar uma decisão inédita e incomum, ao se tornar a nova xerife, impondo lei, ordem e respeito com armas em punho! O seu objetivo é limpar toda a região de bandoleiros e foras-da-lei. Apenas os mais fortes vão sobreviver.

Comentários:

Roger Corman, como todos já sabemos, foi o rei dos filmes B em Hollywood. No final da carreira escreveu um livro contando como conseguiu produzir e dirigir centenas de fitas, sem nunca perder um tostão nelas! Realmente foi um gênio em seu nicho, produzindo filmes bem legais com quase nenhum dinheiro. Hoje em dia Corman é considerado não apenas um herói e um símbolo do cinema independente americano, como também um exemplo para os que desejam fazer filmes sem ter qualquer apoio dos grandes estúdios da indústria cinematográfica americana. Nesse faroeste dos anos 50 Corman resolveu inovar, fazendo de uma mulher a "xerifa" de uma cidade do velho oeste. Claro que historicamente isso jamais aconteceu, mas quem se importa? Corman, sempre em busca de novas ideias e abordagens, resolveu fazer esse filme na intenção dele ser realmente diferente - algo que conseguiu. A figura da mulher em busca de vingança contra os bandidos, usando para isso de uma estrela de xerife, tem inegável apelo, ainda mais nos dias de hoje com os movimentos feministas e tudo mais. Pois é, quem diria, Corman até nisso estava a frente de seu próprio tempo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Cine Western - Galeria de Astros: Elvis Presley / Bob Dylan

Elvis Presley - Tickle Me! 
O roqueiro Elvis Presley em trajes de cowboy para o musical e western "O Cavaleiro Romântico". O filme, considerado uma produção B, acabou se tornando, para surpresa de muitos, um dos grandes sucessos de bilheteria da carreira de Elvis justamente pela forma como foi comercializado. O empresário do cantor investiu na distribuição do filme em pequenos Drive-Ins (cinemas onde os espectadores entravam com seus carros, algo bem popular nos anos 60). Como foi uma produção barata e econômica, com muitas músicas e garotas bonitas, o filme acabou se tornando uma pequena mina de ouro. Infelizmente, mesmo com o sucesso, esse faroeste não conseguiu melhorar a posição de Elvis em Hollywood, pois a fita foi impiedosamente massacrada pela crítica da época, que considerou os resultados artísticos bem ruins. Mesmo sendo fã de Elvis temos que admitir que esse western passa longe de ser um de seus bons momentos em Hollywood.

Bob Dylan - Pat Garrett
Outro astro do mundo da música que se aventurou nos filmes de faroeste foi Bob Dylan. Em 1973 ele aceitou o convite para atuar como um pistoleiro em Pat Garrett and Billy the Kid. Se saindo melhor do que Elvis, Dylan acabou participando de um verdadeiro clássico dos filmes de faroeste. O curioso é que tudo aconteceu muito por acaso, quando aceitou o convite do diretor para atuar. "Estava sem fazer nada e achei que poderia ser uma boa ideia fazer esse filme" - confessaria anos após o fim das filmagens. O mais estranho de tudo é que depois que o filme acabou de ser rodado, ele continuou a usar os mesmos trajes do velho oeste em sua carreira musical, aparecendo assim em shows e capas de discos. Perguntado porque ainda se vestia como se estivesse no século XIX, o artista respondeu: "Gostei muito dessas roupas! São bem confortáveis, além disso o chapéu protege você do sol!". OK! Então está tudo bem...

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Cine Western - O Romântico Defensor

Título no Brasil: O Romântico Defensor
Título Original: Albuquerque
Ano de Produção: 1948
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Ray Enright
Roteiro: Gene Lewis
Elenco: Randolph Scott, Barbara Britton, George 'Gabby' Hayes, Lon Chaney Jr
  
Sinopse:
Com roteiro adaptado do romance "Dead Freight for Piute", de Luke Short, o filme "O Romântico Defensor" conta a estória de Cole Armin (Randolph Scott), um cowboy texano que vai até a cidade de Albuquerque para trabalhar ao lado de seu tio, John Armin (George Cleveland). um bem sucedido homem de negócios na região. Durante a viagem a diligência onde se encontra é assaltada por uma quadrilha de bandidos. Quando finalmente chega em seu destino acaba descobrindo que seu tio John teve participação no roubo. Em pouco tempo tio e sobrinho entram em choque por causa do crime ocorrido, ficando em lados opostos da lei.

Comentários:
"Albuquerque" é um western ao velho estilo onde tudo funciona muito bem. O roteiro é caprichado, bem desenvolvido, criando situações ora mais dramáticas, ora mais bem humoradas. O lado romântico também não é deixado de lado e aqui Randolph Scott corteja a mocinha Celia Wallace (Catherine Craig). O elenco de apoio é excepcionalmente bom com destaque para George Cleveland como o tio Armin, um vilão mais cerebral do que visceral (tanto que não pega em armas, apenas planeja de longe formas de prejudicar o seu sobrinho). George 'Gabby' Hayes, um veterano nas telas com quase 200 filmes também está excelente como Juke, um velho barbudo e ranzinza que trabalha para o personagem de Randolph Scott. Ele funciona muito bem como alívio cômico dentro da trama. Outro ponto de destaque no elenco de apoio é a presença do ator Lon Chaney Jr, tão conhecido dos fãs de filmes de terror clássicos da Universal, em seu auge! "Albuquerque" ficou muito conhecido pelo público americano por causa das inúmeras reprises televisivas ao longo de todos esses anos. Na década de 50 a Paramount, produtora do filme, negociou com a Universal a venda dos direitos autorais de mais de 700 faroestes, todos para serem exibidos no canal NBC no período vespertino. "Albuquerque" fazia parte desse pacote. Passando constantemente na TV norte-americana o filme foi criando uma espécie de intimidade com o público, se tornando uma obra muito conhecida e querida entre os fãs americanos de western. Até no Brasil o filme também foi bem reprisado nos primórdios da TV brasileira. Por aqui quando em sua exibição na extinta TV Tupi a produção recebeu o título pomposo de "O Romântico Defensor". Enfim é isso. "Albuquerque" certamente tem todos os ingredientes que fazem um bom western. Além disso seu clima nostálgico é completamente irresistível. Um faroeste dos bons que merece ser conhecido pelos fãs do gênero.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Cine Western - A Biografia de John Wayne - Parte 2

O rancho de cavalos do pai de John Wayne não deu certo e rapidamente foi a falência. O lugar era muito seco, sem fonte de água por perto, o que tornava tudo muito difícil. A região no sul da Califórnia era tão seca como o nordeste brasileiro. Com muitas dívidas em bancos e sem perspectiva de um futuro melhor, seu pai vendeu tudo e a família se mudou para Los Angeles, em busca de trabalho.

Nessa época John Wayne já estava saindo da adolescência, o que significava que ele estava prestes a entrar na universidade. Esse era seu velho sonho, não apenas por causa dos estudos em si, mas pelas oportunidades de bolsas dentro do universo do futebol americano universitário. Wayne valorizava demais os esportes e era considerado um bom jogador. Ele estava de olho em um futuro na liga profissional de futebol.

E de fato ele acabou sendo admitido na universidade por causa de seus talentos em campo. Wayne não era muito bom em leituras, mas sabia jogar uma bola de futebol como poucos. Alto, com poder atlético privilegiado, ele via ali uma oportunidade. Seu porte físico também abriu uma porta em um ramo de trabalho que ele jamais imaginaria: o cinema. Durante um intervalo nas aulas da universidade um amigo comentou com ele que um estúdio de cinema ali perto pagava bem por figuração. Atores de porte atlético eram contratados para aparecer em filmes de cowboys por um bom cachê. Dinheiro fácil e rápido.

O Jovem John Wayne foi então com seu amigo em busca desse trabalho. Mal ele sabia que nunca mais deixaria de trabalhar no cinema, se tornando no futuro um dos astros mais populares da sétima arte. A primeira vez que Wayne pisou em um estúdio de cinema foi em 1926, ainda nos tempos do cinema mudo. Ele conseguiu um trabalho de figuração no filme "Mocidade Esportiva", onde acabou interpretando um jogador de futebol da universidade de Yale. Foi uma experiência bem positiva, mas John queria mesmo era fazer um western. Naquele tempo o grande astro de Hollywood dos faroestes era Tom Mix. O astro do western usava chapéus enormes e um figurino todo branco. Era uma figura bem impressionante. Se espelhando nele o jovem John Wayne logo comprou um grande chapéu de cowboy, só que negro. Ele estava pronto para aparecer em seu primeiro faroeste na sua ainda recém iniciada carreira nas telas.

Pablo Aluísio. 

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Cine Western - Aventuras no Oeste

Título no Brasil: Aventuras no Oeste
Título Original: Bandits of the West
Ano de Produção: 1953
País: Estados Unidos
Estúdio: Republic Pictures
Direção: Harry Keller
Roteiro: Gerald Geraghty
Elenco: Allan Lane, Black Jack, Eddy Waller, Cathy Downs
  
Sinopse:
O xerife Rocky Lane (Allan Lane) descobre um plano para sabotar a companhia de gás que está colocando um grande aqueduto que passa pelas terras da região de sua cidade. Um bando de criminosos liderados por Bud Galloway está chantageando a nova empresa, pois estão dispostos a explodir tudo! O xerife então começa a caçar os foras-da-lei ao mesmo tempo em que precisa enfrentar um assassino profissional que foi contratado para matá-lo.

Comentários:
Esse personagem do xerife Rocky Lane (sempre interpretado pelo ator e astro de filmes de cowboy Allan Lane) foi muito popular na década de 1950 nos Estados Unidos. Uma série de filmes foram rodados com esse mesmo homem da lei. Eram produções B, feitas para serem exibidas em sessões de cinema matinê, onde o ingresso era bem mais barato para que a garotada pudesse assistir a muitas sessões seguidas de seus filmes preferidos. O interessante é que apesar de ter feito muito lucro com esse tipo de produção os estúdios da Republic Pictures não conseguiram escapar da falência. Esse aliás foi um dos estúdios mais populares da época, porém ao contrário do que aconteceu com as outras companhias cinematográficas, que resistiram ao teste do tempo, não conseguiu seguir adiante. Pior do que isso, a maior parte do acervo da Republic foi perdido em um grande incêndio que ocorreu logo após o fechamento da empresa. Muitos filmes se perderam para sempre, inclusive os primeiros de Allan Lane na companhia. Por essa razão esse "Bandits of the West" é não apenas uma boa amostra dos filmes B desse tempo como também um registro importante que conseguiu sobreviver ao desaparecimento. Um registro histórico a ser preservado. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Cine Western - Heróis da Polícia Montada

Título no Brasil: Heróis da Polícia Montada
Título Original: The Canadians
Ano de Produção: 1961
País: Inglaterra
Estúdio: Associated Producers (API)
Direção: Burt Kennedy
Roteiro: Burt Kennedy
Elenco: Robert Ryan, John Dehner, Torin Thatcher
  
Sinopse:
Com a violência e a brutalidade das chamadas guerras indígenas no oeste selvagem dos Estados Unidos, uma grande parte dos guerreiros nativos da tribo Sioux resolvem cruzar a fronteira, indo para o vizinho Canadá. A chegada é inicialmente pacífica, pois sequer existem tropas canadenses naquela região, mas logo começam os atritos e conflitos entre os Sioux e cowboys que vivem da caça naquelas montanhas, dando origem a um novo ciclo de violência e mortes. Os soldados americanos também estão atrás dos assassinos do General Custer e sua sétima cavalaria.

Comentários:
Um western britânico contando parte da história das guerras indígenas em solo canadense? No mínimo interessante e curioso. O filme tem um bom roteiro e boas cenas de batalha, valorizado ainda mais pelas belas paisagens das regiões canadenses mais distantes e isoladas. O diretor Burt Kennedy quis inicialmente que todo o filme fosse rodado em locações naturais, mas naquela época isso era praticamente impossível. Assim ele deslocou uma unidade de produção para filmar as paisagens, enquanto rodava cenas em estúdio. O resultado, apesar de um pouco irregular, convence. O roteiro explora a fundação da Northwest Mounted Police, que seria a unidade pioneira da hoje famosa Polícia Montada Canadense, um dos orgulhos nacionais daquela nação. No contexto histórico em que o filme foi rodado esse destacamento militar funcionava também como parte do exército canadense, algo que hoje em dia não mais ocorre. Obviamente que o roteiro tem um lado bem ufanista, que soa em determinados momentos como muito inocentes hoje em dia. Isso porém não desqualifica a produção como puro espetáculo de diversão cinematográfica, valorizado ainda mais pelo elenco, com o galã Robert Ryan no papel principal, a do comandante e inspetor William Gannon. Seus atos de bravura, em tempos tão cinicamente presentes como os dias atuais, vão até soar meio cafonas. Ignore isso, veja como parte do charme nostálgico do filme e se divirta, acima de tudo. Vai valer a pena.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Cine Western - A Biografia de John Wayne - Parte 1

John Wayne nasceu na pequena e distante cidadezinha de Winterset, no estado rural americano de Iowa, em 26 de maio de 1907. Seu nome de batismo era Marion Robert Morrison. É interessante notar que ele nasceu em uma região e em uma cidade que muito se parecia com as cidades do velho oeste onde seus personagens iriam aparecer em seus filmes futuramente. Mais do que isso, no momento em que Wayne nasceu a realidade do velho oeste estava sendo mudada pela chegada da tecnologia e dos avanços dos tempos modernos, mas isso em uma escala ainda não muito perceptível.

Assim John Wayne poderia dizer, como sempre fazia aliás, que havia nascido de verdade numa cidade do velho oeste americano, tal como os pioneiros fundaram na colonização do oeste americano. Andar a cavalo, dirigir uma carruagem e portar armas era algo comum naquela localidade. Em nenhum momento Marion se sentiria fora de seu habitat natural nos filmes em que atuaria em Hollywood porque sua cidade natal se parecia demais com o cenário deles. Na verdade Wayne era tão consciente disso que admitia que pouco fez para se inserir naquela realidade dos filmes, já que tudo ali lembrava sua própria infância. "Era como estar em Iowa" - diria depois.

O pai de John Wayne se chamava Clyde Leonard Morrison, Era um imigrante. Ele nasceu na Inglaterra e foi para os Estados Unidos estudar. Descendente de irlandeses ele foi inicialmente para Nova Iorque, mas percebeu que teria melhores oportunidades em Iowa. Assim que chegou pegou o primeiro trem para o oeste. Lá se formou em farmácia e começou a trabalhar como farmacêutico. Depois conheceu Mary Alberta Brown, uma americana. Ela seria a mãe de John Wayne.

A família de John Wayne era de classe média baixa, mas nada lhes faltava. Havia uma boa casa, uma vizinhança muito amigável e tranquilidade reinante. Não havia violência e nem desemprego. Bastava ter disposição para aprender um ofício e começar a trabalhar. Logo os frutos viriam. Era um bom lugar para se viver. A cidade era próspera e tranquila, mas seu pai foi acometido por uma doença pulmonar. Seu médico o aconselhou a procurar um clima mais ameno, pois caso contrário ele poderia desenvolver alguma pneumonia, o que seria fatal. Assim Clyde juntou sua família e resolveu partir rumo à Califórnia. Seu plano era se tornar rancheiro no sul do estado, numa fazenda de criação de cavalos. Foi nela que o ainda adolescente John Wayne passaria grande parte de sua juventude.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Cine Western - À Borda da Morte

Mais um bom faroeste dos anos 1950. Aqui temos a história de um velho xerife, Cass Silver (Robert Ryan). Ele é um honesto homem da lei que se muda para uma cidade de fronteira, um entreposto muito concorrido para onde são enviados grandes rebanhos que cruzam o velho oeste. Com a chegada de muitos cowboys a cidade acaba prosperando. E onde tem muita gente, também tem muita confusão. Lidar com cowboys armados por todos os lados pode ser um grande problema para um xerife que deseja impor lei e ordem em sua cidade.

Mesmo com tantas dificuldades o xerife Cass se sai bem em suas funções, isso até a chegada de um velho desafeto, um homem inescrupuloso, dono de saloon, que sempre contratou pistoleiros para defender seus interesses. Não demora muito e sua presença se torna um foco de tensão para o xerife que precisa lidar ainda com a presença do filho de um homem que matou no passado. Thad Anderson (Jeffrey Hunter) é um cowboy que sabe que o xerife da cidade é o assassino de seu pai. Estaria ele disposto a vingar sua morte ou não?

O roteiro desse filme é bem interessante porque mostra um xerife em seus anos finais. Ele está velho, tem problemas de visão, sua vista se torna cada vez mais embaçada e isso para alguém que precisava enfrentar todos os tipos de criminosos torna tudo ainda mais delicado. O roteiro e a produção são bons, porém o grande atrativo vem do elenco, principalmente do trio principal de protagonistas. Um ainda muito jovem Jeffrey Hunter interpreta um cowboy que chega na cidade, provavelmente em busca de vingança pela morte do pai. Robert Ryan é o xerife que sabe que sua hora decisiva está muito provavelmente bem próxima e a bela Virginia Mayo é a dona de um saloon local, uma mulher que deseja vencer na vida no mundo dos negócios.

Em alguns momentos o enredo me lembrou de filmes como "Onde Começa o Inferno" e até mesmo "Matar ou Morrer", mas é preciso reconhecer que esse roteiro não tem a mesma consistência psicológica ou de desenvolvimento dos principais personagens como nesses grandes clássicos do western americano. É certamente um bom faroeste, valorizado pelos momentos de tensão, porém não chega a ser um dos grandes clássicos do gênero. Competente e bem realizado, cumpre suas pretensões, mas sem chegar a um nível tão alto.

À Borda da Morte (The Proud Ones, Estados Unidos, 1956) Direção: Robert D. Webb / Roteiro: Edmund H. North, Joseph Petracca / Elenco: Robert Ryan, Virginia Mayo, Jeffrey Hunter / Sinopse: Velho xerife precisa lidar com antigos inimigos em um momento particularmente complicado de sua vida, principalmente por não ter mais a mesma habilidade do passado. .

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Cine Western - Randolph Scott e o Velho Oeste - Parte 1

Um dos atores mais populares do auge do western americano foi Randolph Scott. Ele nasceu no estado sulista da virgina, numa pequena cidade chamada Orange County, bem distante de Hollywood e sua indústria. Scott era filho de uma família tradicional da cidade. Seus pais eram pessoas respeitadas na região, considerados excelentes profissionais em suas respectivas áreas. Assim Scott teve uma infância tranquila e sem traumas.

Quando o ator morreu em 1987 um amigo de infância relembrou aqueles velhos tempos: "A América era um lugar muito bom para se viver. Não havia tantos imigrantes estrangeiros e todos se conheciam. Randolph foi um sujeito bem normal. Honesto, com muitas amizades. Não tínhamos nada de ruim a falar sobre seu respeito".

Nada poderia dizer em seus primeiros anos que ele iria se tornar um astro em Hollywood. Durante sua vida Randolph Scott se preparou mesmo para se formar em engenharia. Atuar nem era considerado algo respeitoso naqueles tempos. Para muitos era uma profissão para vagabundos e pessoas sem formação educacional. O cinema, que começava a se tornar cada vez mais popular, seria um instrumento para mudar essa mentalidade com o passar dos anos, mas quando Scott se mudou para a Califórnia, ainda havia muito preconceito e estigma contra profissionais da atuação.

Randolph Scott não foi para a Califórnia para se tornar um astro de cinema. Na verdade quando ele chegou em Los Angeles pela primeira vez era apenas um estudante universitário. Ele havia se mudado para dar continuidade aos seus estudos, uma vez que já naquela época (estamos falando da década de 1920) as melhores universidades do país se situavam naquele estado. Assim que pisou os pés em Hollywood pela primeira vez - atraído obviamente pelo glamour do lugar - o jovem Scott ficou completamente fisgado pelos estúdios, pelos astros e estrelas e pela (remota) possibilidade de ganhar a vida fazendo filmes! Não seria o máximo? O problema é que Randolph não tinha qualquer preparo para atuar. Ele nunca estudara arte dramática e nem havia feito teatro. Para Hollywood porém isso não era o mais importante. Para conseguir uma figuração tudo o que bastava era saber montar um cavalo e se parecer com um pioneiro do velho oeste - dois requisitos que o jovem Randolph Scott tinha de sobra. Uma nova era estava prestes a começar no western americano.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Cine Western - Audie Murphy e o Western - Parte 2

Audie Murphy foi um campeão de bilheteria das matinês. Ele estrelou uma longa série de filmes de faroeste que fizeram bastante sucesso. Nas telas ele geralmente interpretava o bom mocinho, muitas vezes até ingênuo e dono das melhores boas intenções. Uma imagem bem diferente do Audie da vida real. A inocência fora perdida em um dos conflitos mais sangrentos da história: a II Guerra Mundial. Audie era veterano de guerra e trazia muitas marcas psicológicas dentro de si por causa do que tinha vivenciado nos campos de batalhas da Europa.

Ele foi considerado um herói pelo exército americano por causa de um ato de bravura demonstrando durante uma batalha contra o exército alemão. Sua companhia foi cercada no meio de uma região de florestas. Seus companheiros de farda quase foram aniquilados completamente. Quem os salvou foi Audie, que usando uma metralhadora ponto 50 conseguiu matar inúmeros soldados nazistas. Isso lhe valeu inúmeras medalhas, mas nem elas compensavam os traumas que Audie Murphy levou para a vida civil depois que a guerra acabou.

Ele falou sobre isso timidamente durante uma entrevista nos anos 60. Ao jornalista que o entrevistava Audie explicou: "Eu poderia continuar no exército por longos anos se quisesse, mas depois da guerra e das coisas que vi pensei comigo mesmo que era o bastante para uma vida inteira. Eu presenciei coisas horríveis no campo de batalha e não tenho vergonha de dizer isso. Muitos dos meus amigos na companhia foram mortos e eles eram apenas garotos de 18 anos, mal saídos das cidadezinhas do interior onde nasceram. Eles nunca tiveram a chance de ter uma vida longa, de se casarem, terem filhos, etc. Ao invés disso morreram em algum buraco ou cratera de bomba na Europa ou no Pacífico. Essa sempre foi para mim a maior tragédia da guerra!".

Esses traumas não deixaram Audie nem mesmo após ele se tornar um ator de relativo sucesso. Muitos que trabalharam ao seu lado dizem que Murphy mantinha uma personalidade tendente a melancolia ou depressão. Quando não estava atuando procurava ficar sozinho, perdido em seus próprios pensamentos. Hollywood para ele era apenas uma forma de trabalho, além disso como costumava dizer: "Gosto dos filmes porque as balas são de mentirinha. Ninguém morre e no final do dia todos estão de volta seguros em suas casas. Exatamente o contrário do que vivi na II Guerra Mundial. Ali no campo de batalha não havia margem para o erro. Errar era fatal!".

Pablo Aluísio.